Análise Psicológica do filme: A Perseguição (2011)

A Perseguição

Olá pessoal, tudo bem? Quem aí gosta de um bom filme de drama existencial? Confira a análise psicológica do filme A Perseguição

Mas o que significa isso, exatamente?

Pense que você (Liam Neeson) trabalha para uma empresa  no Alasca e sua função é manter os lobos que lá vivem afastados de todos para que possam trabalhar. Às vezes é preciso atirar em alguns deles. Você decide voltar para casa para visitar sua esposa e no trajeto o avião cai. A questão é que agora você está num local inóspito, sem grande proteção contra o frio e contra uma alcateia de lobos que parece veio para se vingar de você e de todos. A perseguição é invertida é vocês se tornam a caça.

Resultado de imagem para the gray liam neeson gif

Do ponto de vista da psicologia existencial, temos muitos temas que aparecem durante todo o filme. Temas existenciais como:

  • Liberdade: cada personagem precisa escolher o que fará com as circunstâncias que agora se encontram – fome, frio e a possibilidade muito grande de serem devorados por lobos que conhecem bem o local e estão bem adaptados a ele. Cada personagem precisa lidar com a liberdade de escolha. E não escolher também é uma escolha.
  • Finitude: o fato de que todos somos mortais e que vamos morrer em algum momento. No filme, talvez, mais cedo do que esperavam. A morte paira no psiquismo de todos nós, pois, no fundo, sabemos que somos seres finitos e que em algum momento a morte chegará. Contudo, no contexto do filme, a morte torna-se uma companheira a espreita para atacá-los a qualquer momento diante da possibilidade de serem caçados pelos lobos. Olham a morte de frente.
  • Angústia: diante da mudança repentina na vida de todos, devem lidar com a angústia existencial de como se adaptar e o que fazer com a nova vida que estão vivendo.
  • Viver: entender que há formas de se lidar com as dificuldades e que viver e como viver são escolhas que todos devemos fazer.
  • Culpa: a culpa de terem que lidar com seu passado, suas escolhas pregressas e o que fazer com o possível restante de vida que lhe resta.
  • Solidão: entenderem que em certos momentos estão, na verdade, cada um por si. Fadados em suas condições. Alguns ficaram doentes com a queda, então dificulta sua caminhada. Lidar com a sensação de que, no fundo, somente podemos contar com a gente mesmo é uma dificuldade existencial a ser enfrentada e que no filme está mais explícita de acordo com as nuances de comportamentos de cada personagem.
  • Autenticidade:É cada um bancar suas escolhas. De viver ou de se entregar à morte diante dos lobos. É escolher com consciência o que faz mais sentido para cada um deles, apesar e sobretudo com as consequências. Escolher o que os mantém vivos para tentarem seguir adiante; escolher a morte como caminho que faz mais sentido naquele contexto biográfico de cada sujeito.

Resultado de imagem para the gray liam neeson gif

Todos esses temas percorrem A Perseguição do início ao fim. Inclusive na cena curta de poucos segundos pós créditos. Deixa o observador a questionar-se a respeito de tudo isso. É um filme denso, forte e dramático que trata de temas densos, fortes e dramáticos. Mas reais. Existenciais. Temas dos quais nenhum de nós consegue fugir.

Podemos às vezes cair na inautenticidade e fugir deles, fingir que não são importantes,que não existem. Mas de tempos em tempos somos lembrados por algum evento a retornarmos à eles e nos questionarmos da nossa relação com tudo isso que nos cerca enquanto ser humano.

A Perseguição é um filme para se refletir sobre a vida;  nossos padrões psicológicos mais profundos diante dos desafios;  nossas estratégias de enfrentamento e repertório comportamental diante das dificuldades  e nossa Ressignificação de duas coisas: da vida e do viver e da morte e do morrer.

Diante do inevitável fim, o que faz sentido? O que não faz mais sentido que antes fazia? E onde me encontro agora nesse momento de vida? É um filme para refletirmos e decidirmos:  para onde tenho caminhado e é para lá que desejo mesmo ir?

O poema repetido pelo protagonista resume sua percepção diante de tudo que vive:

“Mais uma vez na briga. Na última boa batalha que eu jamais conhecerei. Viver e morrer neste dia. Viver e morrer neste dia.” 

Bom filme a todos!

Compartilhar: