Crítica: Bad Boys Para Sempre (2020)

Bad Boys Para Sempre consegue reviver uma franquia da maneira certa, com muita paixão envolvida, o projeto chama a atenção e vai conquistar o público que gostou dos dois primeiros filmes, além dos que estão conhecendo a franquia agora

Data de lançamento: 30 de janeiro de 2020 

Direção: Adil El ArbiBilall Fallah

Elenco: Will SmithMartin LawrenceVanessa Hudgens

Sinopse:

Quando uma onda de assassinatos começa a acontecer em Los Angeles e Mike é pego no meio do fogo cruzado, o policial resolve investigar a fundo, mas seu parceiro Marcus prefere se aposentar pois acredita que já viu e propagou violência demais, optando por viver uma vida de paz.

Bad Boys Para Sempre tem uma premissa interessante, mostrar como seus protagonistas estão, depois de mais de 20 anos combatendo o crime, afinal ninguém fica jovem para sempre. A história serve como pano de fundo para mostrar como seus protagonistas reagem as mudanças que o tempo causou, enquanto Mike quer lutar, Marcus opta por descansar depois de tanto tempo de trabalho.

O roteiro cumpre seu papel com sacadas de humor extremamente bem colocadas, o texto mostra uma certa rivalidade de seus protagonistas e suas perspectivas com relação a envelhecer. Isso rende diversas piadas muito efetivas e a química de Martin Lawrence e Will Smith colabora para que tudo fique mais engraçado e funcione perfeitamente.

Um dos pontos negativos do filme é apresentar personagens secundários demais, e não aprofundar em nenhum deles. O objetivo parecia apresentar mais personagens para assumirem a franquia quando Smith e Lawrence não quiserem mais retornar aos personagens, mas isso não funciona.

Os atores Alexander Ludwig, Vanessa Hudgens e Charles Melton tem seu carisma mas o filme acaba simplesmente deixando esses personagens de lado, o que por um lado funciona, já que sua dupla principal entrega performances ótimas, mas por outro desanima, já que o espectador pode querer ver mais dos personagens novos.

Outro ponto negativo do longa é sua antagonista, Isabel (Kate del Castillo) que possui motivos confusos e mal explicados, fazendo com que o clímax do filme tenha menos impacto que o esperado.

A compensação vem pelas cenas de ação e perseguição que o filme possui. Bad Boys Para Sempre utiliza de menos explosões que seus antecessores (Que foram dirigidos por Michael Bay), mas cadencia muito melhor todas as suas cenas que envolvem ação. A direção acerta em cheio nesse ponto, fazendo com que tudo fique fluido.

Por fim, Bad Boys Para Sempre é tanto uma homenagem ao passado, como um contemplar do futuro. Com um texto divertido e sequências de ação de encher os olhos, esse filme tem tudo o que faz um blockbuster de sucesso, e melhor que isso, executa muito bem tudo o que se propõe, mesmo que algumas coisas tenham seus defeitos.

Galeria:

Trailer:

Compartilhar: