Crítica: A Família Addams (2019)

A Família Addams

A Família Addams apresenta o embate do padrão contra o que é considerado “fora” dele e aborda um tema que assola a atual sociedade, as chamadas “fake news”, que podem ser responsáveis por ações desastrosas…

Lançamento: 31 de outubro de 2019
Direção: Conrad Vernon, Greg Tiernan
Elenco: Oscar Isaac, Charlize Theron, Chloë Grace Moretz.

Sinopse:

A Família Addams se prepara para receber toda a família após 13 anos de isolamento em sua horripilante mansão quando são descobertos pela vizinhança liderada por uma gananciosa apresentadora de TV que deseja bani-los para sempre.

Alguns filmes assistimos despretensiosamente, apenas para nos divertir, mas acabamos nos surpreendendo com a mensagem que passam, esse é o caso dessa animação de 2019 inspirada nos quadrinhos de Charles Addams. O longa nos apresenta a origem da terrível família partindo do casamento de Gomez (Oscar Isaac) e Mortícia (Charlize Theron) até a formação da família composta também pelos seus filhos Wandinha (Chloë Grace Moretz) e Feioso (Finn Wolfhard).

Após 13 anos de isolamento, os Addams, se preparam para receber os familiares para a realização de uma cerimônia de iniciação de Feioso. Além da tensão pela possibilidade de que o filho mais novo de Gomez não passe no teste eles precisam lidar com uma nova variável. De um dia para o outro o pântano que cercava sua mansão desaparece revelando uma colorida e alegre cidade cor-de-rosa. A relação entre os personagens sombrios e os vizinhos quase de algodão doce é o que leva a trama, mas não é seu único ponto.

A animação que tem um estilo mais infantil apresenta questões a respeito da relação de mãe e filha e de pai e filho. Mortícia, no intuito de proteger seus filhos, os impediu de conhecer o mundo exterior aos limites da mansão e isso cria uma relação conflituosa com a primogênita Wandinha que está cheia de curiosidade em relação ao mundo exterior. A menina é uma adolescente e independente de ser uma Addams possui os instintos básicos de contestação dessa idade.

Como parte de sua aventura no mundo exterior a garota gótica passa a frequentar uma escola pública. Logo Wandinha se depara com o típico enredo de filmes adolescentes, garotas populares x garotas não populares. A forma como ela desafia o sistema de padrões imposto pela sociedade é bastante interessante. Vale ainda mencionar a amizade dela com uma menina ‘normal’ e como cada uma usa uma mudança de visual para tirar a paz de suas respectivas mães. Isso nos faz perceber o quanto é positivo conviver com o diferente.

Outra subtrama que A Família Addams  apresenta para os expectadores o viés de que as pessoas não precisam e nem devem ser iguais é a de Gomez e Feioso. Por mais que o filho se esforce não consegue ser habilidoso com a espada como o pai, no entanto, tem outros talentos que também podem ser enaltecidos.

A grande vilã do filme é a apresentadora de TV Margaux, que é a responsável pelo desenvolvimento da cidade cor-de-rosa e deseja banir os Addams para se livrar de sua mansão sombria. É interessante como o filme apresenta o embate do padrão contra o fora do padrão. O posicionamento pacífico dos Addams mesmo diante da fúria injustificada dos vizinhos incitados por Margaux nos ajuda a refletir sobre a forma como reagimos às pessoas que são diferentes de nós.

Além disso, o filme mostra como notícias falsas podem ser responsáveis por ações de massa desastrosas, algo bem importante de ensinar as crianças. A trilha sonora inclui a canção tradicional dos Addams e foi muito bem alinhada com o filme. Tropeço cantando é uma parte imperdível.

O único ponto negativo da animação é ser muito curta de maneira a não conseguir desenvolver mais profundamente todos os temas e subtramas abordados. Seria interessante ver mais de Wandinha derrubando o sistema ‘meninas malvadas’ da escola, a difícil relação entre Mortícia e sua sogra (rende cenas divertidas) e mais aprofundamento na redenção da vilã cujo desfecho é interessante, mas muito rápido.

É interessante dizer que a animação de A Família Addams é uma boa opção para assistir com toda a família, passa uma mensagem legal e explica que ser diferente do que é dado como “padrão” não tem nada de errado.



Galeria:

Trailer: