Crítica: No Olho do Tornado (2014)

No Olho do Tornado é mais uma produção que serve como um rápido entretenimento, mas que logo entra na lista dos esquecíveis…

Lançamento: 28 de agosto de 2014
Direção: Steven Quale

Elenco: Richard ArmitageSarah Wayne CalliesMax Deacon

Sinopse:

Um grupo de cientistas caçadores de tempestades liderado pelo ambicioso Pete (Matt Walsh) contrata a cautelosa meteorologista Allison Stone (Sarah Wayne Callies) para ajudar na aventura; o comportado adolescente Donnie Morris (Max Deacon), que resolve faltar a própria cerimônia de formatura para ajudar Kaitlyn (Alycia Debnam-Carey), por quem é apaixonado, em um projeto escolar – por sugestão do irmão fanfarrão Trey (Nathan Kress) – e a dupla acaba soterrada em uma antiga fábrica, de onde o pai dos meninos, Gary (Richard Armitage) tentará resgatá-los; uma dupla de bobalhões que faz de tudo para ficar famosa no YouTube. Esses são os personagens centrais que terão de enfrentar a fúria do maior tornado que a natureza já produziu.

Filmes com um “Q” apocaliptico geralmente tendem a chamar a atenção do público justamente por despertar o interesse na temática de “como seria nosso fim?”. Pensando nisso, o diretor Steven Quale, conhecido por Premonição 5, decidiu assumir o desafio de assumir a direção de mais um suspense do gênero, mas diferentemente dos demais, No Olho do Tornado se mostrou ser só mais um entre tantas outras boas opções.

Com um roteiro simples, um tanto perdido e sem muito aprofundamento, o espectador é pego logo de cara pela história que deixa clara não ter outro objetivo além de entreter de maneira rápida e divertida. A história é bastante previsível e o público já sabe o que vai encontrar no final ( ou pelo menos imagina), já que muitas das revelações acontecem de maneira rápida e sem muito suspense.

É fato que os efeitos especiais conseguem convencer e criar uma certa tensão no espectador, principalmente nos momentos em que não apenas um, mas, vários tornados tomam conta do local e passam destruindo tudo pela frente. Só que nada além disso.

Com um elenco morno e personagens mal desenvolvidos, o espectador não consegue criar uma verdadeira empatia por Trey Fuller e Kaitlyn Johnson, interpretados respectivamente por Nathan Kress e Alycia Debnam-Carey. Em contrapartida, tempos os “veteranos” Richard Armitage e Sarah Wayne Callies, que se desdobram ao máximo para conseguir “segurar as pontas” quando estão em cena.

A ideia da produção é legal, chama atenção e consegue comprar o espectador, mas é somente mais uma ideia que poderia ter sido bem mais desenvolvida, principalmente na história que em determinado momento entra em uma exaustiva lentidão.

Por fim, No Olho do Tornado é mais um filme que entra na lista dos esquecíveis, mas que vale como uma boa e rápida pedida de entretenimento e diversão.

Galeria:

Trailer:

 

Compartilhar: